Entrevista

Os 20 pretos influentes da década para Aloysio Letra

Há pouco menos de dois meses, Adriana Barbosa, Lázaro Ramos e Taís Araújo foram reconhecidos entre os 100 negros até 40 anos mais influentes do mundo pela Mipad (Most Influential People of African Descent). Na semana do dia da Consciência Negra, procuramos Aloysio Letra do Blog Negrume para que ele listasse os 20 pretos mais influentes desta década no Brasil.

Os 20 pretos influentes da década

Sabemos que listar 20 num universo de tanta gente boa que vem fazendo história e bombando por aí não é uma tarefa fácil. Mas, compartilhar o olhar de alguém que há tanto tempo vem colaborando para o empoderamento negro é importante. É importante para conectar quem está produzindo com quem pode consumir e se ver representado nas causas, projetos e militâncias.

 

1) Daniel Sundjata Marques (Poeta e ator)

Fundador e integrante do Sarau O que dizem os Umbigos no Itaim Paulista, ele faleceu no dia 31 de julho deste ano. Dani, como era chamado pelos mais próximos, era figura relevante da cena cultural periférica.

2) Viviane Ferreira (Cineasta e presidente da A.P.A.N.)

Cineasta e advogada, Viviane é a segunda mulher negra brasileira a dirigir um filme de longa metragem – Um dia com Jerusa. Nascida em Salvador e radicada na capital paulista, ela é uma das fundadoras da APAN (Associação de Profissionais do Audiovisual Negro.

3) Maria Shu (Dramaturga)

Professora e Dramaturga. Já teve trabalhos lidos e encenados fora do país: Cabaret Stravaganza (Suécia), Epifania (Cabo Verde), Ar rarefeito (Portugal) e Peça para quem não veio (França) Também é autora de Giz, A Cobradora, Relógios de Areia e Leoa na Baia.

 

 

4) Jé Oliveira (Dramaturgo)

Jé é fundador do Coletivo Negro, ator, diretor e dramaturgo. Formado pela Escola Livre de Teatro de Santo André, ele faz parte do corpo de Mestres da instituição. Como dramaturgo possui 6 peças escritas e encenadas, entre elas Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens (2016) que lhe rendeu a premiação no 6º Prêmio Questão de Crítica.

5) Allan da Rosa (Escritor)

Allan é do movimento de literatura periférica de São Paulo. Com seis obras publicadas, entre elas a Da Cabula – que com a peça teatral ganhou o II Prêmio Nacional de Dramaturgia Negra Ruth de Souza – Rosa também é fundador do selo Edições Toró.


 

6) Anin Urasse (Do projeto Reaja da Bahia)

Anin se define como Pan-africanista de orientação garveysta, mulherista africana e afrocentrada. Uma afrikana em diáspora em eterna busca de suas origens. Ela compartilha pensamentos baseados nas leituras afrocentradas e faz parte do projeto Reaja – Organização Política Pan Africanista de Base Comunitária, que há 12 anos combate o genocídio do povo negro.

 

 

 

7) Rosane Borges (Comunicóloga)

Natural de São Luis do Maranhão, Rosane é comunicóloga. Pós-doutoranda em Ciências da Comunicação pela ECA da USP, professora do Centro de Estudos Latino Americano sobre Cultura e Comunicação (CELACC) da USP e da Universidade São Judas Tadeu/SP, ela também é integrante da Comissão de Jornalista pela Igualdade Racial (COJIRA-SP) e autora de diversos livros, entre eles Mídia e racismo (2012) e Espelho infiel: o negro no jornalismo brasileiro (2004) .


 

8) Joyce Prado (Roteirista e cineasta)

Cineasta com especialização em Roteiro Audiovisual e fundadora da produtora Oxalá Produções. Desenvolve trabalhos na área de cinema documental, ficcional e publicitário. Atuou como co-diretora no curta-metragem “Fábula de Vó Ita” e na websérie 1ª Temp. Empoderadas, entre outros projetos que atuou como roteirista e diretora de produção.


 

9) Renata Martins (Cineasta e roteirista)

Cineasta formada pela Universidade Anhembi Morumbi e pós-graduada em Linguagens da Arte pela USP. Atualmente, Renata é colaboradora na equipe de roteiristas da temporada de Malhação “Viva a diferença!”. Com trabalhos premiados internacionalmente como o curta-metragem Aquém das Nuvens que foi premiado no Festival Unasur na Argentina e a premiada série Pedro & Bianca – Emmy Internacional Kids Awards 2013 na categoria Melhor Série InfantoJuvenil, e do Prix Jeunesse Iberoamericano 2013 e Internacional em 2014 na categoria “ficção para o público de 12 a 15 anos”, ela também é criadora dos projetos de web “Empoderadas” e Blábláobá, voltados para valorização das mulheres negras.

10) Salloma Salomão (Músico e pesquisador)

Músico, pesquisador, africanista e Doutor em História Social pela PUC São Paulo, Pesquisador-educador, letrista, vocalista e flautista. Foi pesquisador visitante do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, pesquisando culturas musicais africanas nos Brasil nos séculos XIX e XX.


 

11) Joice Berth

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Nove de Julho e Pós graduada em Direito Urbanístico pela PUC-MG. Feminista Interseccional Negra e integrante do Coletivo Imprensa.

12) Débora Garcia (Poetisa)

Poetisa, cantora, atriz, gestora cultural e assistente social formada pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), desenvolve e participa de projetos culturais nos quais trabalha com a literatura, música e teatro, suas áreas de atuação. Publicou seus textos em diversas antologias voltadas à literatura negra e periférica. Débora atua na Associação Cultural Literatura no Brasil desde 2009, foi presidente da entidade entre os anos de 2012 e 2014 e é autora da obra “Coroações – Aurora de poemas”.

13) Renata Prado (Batekoo SP / 15 contra 16)

Estudante de Pedagogia na Universidade Federal de São Paulo, pesquisadora na área da educação partindo da temática da Lei 10.639/10, que estabelece a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” no currículo oficial da rede de ensino, dançarina de funk, apresentadora do programa web Funk TV Visita, produtora executiva da festa Batekoo SP e diretora da Frente Nacional de Mulheres no Funk.


 

14) Suzane Jardim (Historiadora)

Bacharela em História pela USP e pesquisadora de gênero e dinâmicas raciais, Suzane foi articuladora das Ocupações Pretas na USP, movimento pela visibilidade da luta por cotas raciais na Universidade. É feminista interseccional e atua como educadora em escolas públicas da periferia com palestras para jovens e adultos sobre violência de gênero, acesso à universidade, história e cultura do povo negro. Realiza pesquisa sobre os estereótipos que cercam a imagem do negro na mídia.


 

15) Silvia Nascimento (Site Mundo Negro)

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, ela foi repórter de beleza e saúde em revistas segmentadas como Atualidade Cosmética, Ikesaki e ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores). Estudante da Imprensa Negra há muitos anos, Silvia decidiu ter seu próprio site após morar e estudar em Washington DC (EUA) e ver a diversidade e qualidade da imprensa afro-americana. Ela foi uma das primeiras jornalistas negras a comandar um espaço na Internet segmentado para o público afro-brasileiro, o que lhe já rendeu algumas premiações, além de menções sobre suas reportagens na imprensa nacional e internacional.


 

16) Gabi Oliveira (Canal De Pretas)

Formada em Comunicação Social (UERJ), Gabi Oliveira tem recebido reconhecimento pelo seu trabalho no canal DePretas por Gabi Oliveira, no YouTube. Com mais de 100 mil seguidores, em seus vídeos ela aborda assuntos que vão desde às relações étnico-raciais a estética da mulher negra. Vencedora do concurso Youtube Nextup e atual embaixadora Seda Brasil, Gabriela está na lista de mulheres inspiradoras, da Think Olga, e já palestrou no Latin America Education Forum (LAEF), na Universidade de Harvard.


 

17) Dr. Hédio da Silva Júnior (Advogado de defesa das religiões de matriz Africana)

Dr. Hédio Silva Jr é advogado, professor da Faculdade Zumbi dos Palmares e ativista histórico. Foi secretário da Justiça do Estado de São Paulo e é um dos mais respeitados defensores da cultura e das religiões de matrizes africanas.


 

18) Erica Malunguinho (Aparelha Luzia)

A ativista, educadora e artista pernambucana trabalhou na área da educação por muitos anos, atuando na formação de professores com temas ligados à arte, cultura e política. Produziu trabalhos de fotografia, performance, escrita e desenhos.


 

19) Mestre Walter de França (Maracatu Estrela Brilhante do Recife)

Referência da cultura popular pernambucana, Mestre Valter é um dos maiores mestres da história do Maracatu. Ele é comandante do batuque de uma das agremiações mais antigas de Pernambuco, o Maracatu Nação Estrela Brilhante do Recife. A agremiação mantém um ponto de cultura em sua sede, onde oferece oficinas para a comunidade.


 

20) Fabio Akins Kintê Monteiro (Poeta e cineasta)

Akins Kintê já trabalhou como cineasta, produziu três filmes, sendo o mais famoso deles o Várzea, que conta a história do futebol na periferia. Poeta nos Saraus periféricos da capital paulista, já publicou três obras, a última Muzimba – Na Humildade Sem Maldade (2016).